quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Ser filho

A religiosidade é muito sutil e cria raízes difíceis de serem arrancadas. Não é bom ser religioso, pois nos tornamos prisioneiros de regras que em nossa mente nos aproximam de Deus.

Recebi Jesus na minha vida há 2 anos e fui liberto da religiosidade. Embora eu tenha frequentado a igreja evangélica na maior parte da minha vida, só então eu entendi o que as pessoas queriam dizer com, "Jesus transformou a minha vida".
Entretanto a religiosidade sempre tenta voltar a influenciar nosso pensar e é preciso estar atento para não aceitá-la de novo. Quantas vezes eu já ouvi gente dizendo para agradecer mais e pedir menos na orações, dizendo que devemos orar ajoelhados, devemos dançar com tal música, pular com tal outra, jejuar, servir, honrar, amar...Não me entendam mal, não que isso tudo seja errado. Errado é acreditar que essa é a razão para Deus se aproximar ou não de nós. Jesus morreu para sermos livres para algum dia ruim só pedirmos na oração, livres para ir dormir sem ter lido a Bíblia naquele dia, LIVRES! Mas se o que te impede de fazer essas coisas é a vergonha, a preguiça ou o medo, Jesus morreu para que você seja livre disso também. Acredito que o melhor conselho que eu posso te dar é: Não busque desesperadamente fazer coisas para Deus, busque desesperadamente conhecer o amor do Pai por ti e o seu papel de filho, que não tem nada a oferecer. A alegria que te libertará para dançar, o amor que te impulsionará a servir e o comprometimento para jejuar virão como consequência do entendimento da profundidade do amor que Deus tem por ti.
Algumas igrejas estão cheias de "pessoas perfeitas" que são louvadas por todos pelas coisas que fazem; oram 15 horas por dia, jejuam 10 dias seguidos, lideram 7 células, conhecem a Bíblia de capa à capa...Confesso que já me esforcei para ser assim, mas depois de um tempo cansei da minha imperfeição e pensei que não quero mais crescer e ser grande, só quero ser filho.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Marrocos

ÍNDICE
- O País
- História
- Povos
- Igreja
- Oportunidade Missionária
- Ore
- Informações (valores aproximados)


O País
O Marrocos está localizado geograficamente no norte da África. Na costa norte se concentra a maior parte da população. Parte da porção sul é ocupada pelo deserto do Saara. As cidades imperiais de Fes, Marrakesh e Meknes, com seus antigos mercados e monumentos árabes, atraem cerca de 3 milhões de visitantes por ano, o que faz do Marrocos um dos países mais visitados da África. A população é cerca de dois terços árabe e um terço berbere, com minorias compostas de franceses e espanhóis. A religião oficial é o islamismo, adotado por quase 99% dos habitantes, a maioria da seita sunita. O idioma oficial é o árabe. O francês também é muito falado, principalmente pela elite; há também a presença de dialetos berberes e o espanhol é usual em algumas regiões, tanto do norte quanto do sul.

Choque Cultural
- Se você for mulher, evite sair sozinha no Marrocos. Alguns homens marroquinos mechem bastante com as mulheres, principalmente com as estrangeiras.
- Na hora de comprar alguma coisa procure se informar sobre o preço justo do produto com alguém confiável. O Marrocos é um país turístico e estrangeiros normalmente perdem muito dinheiro com lembrancinhas. Esteja disposto a negociar o preço, pois lá a maioria dos negócios se faz negociando o valor.
- Tenha cuidado com o forte preconceito contra negros que há no Marrocos
- Cuidado com quem você conversa. Muitos marroquinos se aproximam parecendo amigáveis, mas só estão interessados no seu dinheiro.
.
História
O atual território marroquino foi objeto de várias batalhas entre as antigas tribos da região e diversos impérios mundiais. Os árabes invadiram o Marrocos em 682, guerreiros berberes eventualmente expulsaram os árabes, mas decidiram manter o islamismo como religião. No ano 711 os berberes dominaram não só o Marrocos, mas também a região sul da Península Ibérica, até o final do século XII. A reconquista cristã da península ibérica terminou em 1492. O poder político da região permaneceu sob o domínio do islã desde a ocupação árabe até o século XV, quando os europeus começaram a invadir a região tornando o Marrocos uma nação marcada pelo derramamento de sangue dos que tentaram defender o país das colonizações. Portugueses, espanhóis e franceses travaram uma disputa armada pelo controle do país, que acabou dividido entre a França e a Espanha.
Rei Mohamed VI
Após a II Guerra Mundial, nacionalistas iniciaram um movimento pela independência do país. A França rejeitou essa tentativa até 1956, quando ela e Espanha acabaram por reconhecer a independência do Marrocos. Mohamed V foi o primeiro rei do Marrocos e, após a sua morte em 1961, o jovem Hassan II, herdeiro do trono, se tornou rei e transformou o país em uma Monarquia constitucional; Hassan II morreu em 1999 e quem assumiu o reinado foi seu filho, Mohamed VI, que é o rei do Marrocos atualmente.

Povos
Berberes: Eles vivem nas regiões montanhosas ao longo do Marrocos e Argélia, são em torno de 18 a 20 milhões e falam aproximadamente 33 línguas diferentes. Eles se consideram os descendentes dos habitantes originais do norte da África. Há uma evidência histórica de que os berberes eram judeus e cristãos no período do Império Romano, mas a invasão árabe resultou na conversão do povo berbere para o islamismo. Os berberes normalmente são muito hospitaleiros; é muito normal um berbere marroquino convidar um estrangeiro qualquer para tomar chá em sua casa ou tenda. [Revista Amém, n°12, 2° semestre/2003]
Árabes: Nas tradições islâmica e judia, os árabes são um povo que tem sua ascendência de Ismael, um dos filhos do patriarca Abraão. Durante o período de conquistas, os árabes ampliaram seu conhecimento através da absorção das culturas de outros povos, levando-as adiante a cada nova conquista. Entre os países conquistados pelos Império Árabe estava o Marrocos, e, apesar do Império ter perdido a força, os árabes permaneceram na região e ainda hoje aproximadamente 70% da população marroquina é de descendência árabe.
Estudantes estrangeiros: No Marrocos é possível encontrar muitos estrangeiros de vários países da África, como Guiné-Bissau, Madagascar, Costa do Marfim e muitos outros. Isto acontece pois o Marrocos, em relação a outros países da África, tem boas universidades, e os estudantes vindos de outros países africanos, buscam no Marrocos a oportunidade de cursar uma boa faculdade e conseguir mudar a realidade deles mesmos, da sua família e do seu país.


Igreja
Cerca de 95% dos cristãos no Marrocos são estrangeiros. As únicas igrejas cristãs no Marrocos são a igreja católica e a protestante. Normalmente a igreja protestante é dividida em dois cultos: um em inglês, onde a maioria dos frequentadores são europeus ou norte americanos; e outro em francês, onde a maioria dos membros são estudantes universitários de outros países da África. Devido as leis do país a igreja não pode trabalhar com evangelismo. Não se sabe ao certo o número de ex-muçulmanos marroquinos, pois muitos temem tornar pública sua nova fé. A lei marroquina proíbe que marroquinos se convertam ao cristianismo ou frequentem reuniões cristãs.
O país estava se tornando mais aberto ao cristianismo do que no passado. Porém nos primeiros meses de 2010 o país voltou a se tornar cada vez mais fechado. Somente na primeira metade de 2010 mais de 150 estrangeiros que moravam no país foram expulsos ou deportados repentinamente. O governo marroquino fez uma declaração pública de que essas pessoas eram culpadas de tentar converter os marroquinos a outra religião diferente do islamismo.



Oportunidade Missionária
Pelo fato do Marrocos ser relativamente fechado ao Evangelho, a presença de ministérios de ajuda social cristãos no país é praticamente zero. Muitos missionários trabalham por conta própria. A grande estratégia para o evangelismo dos muçulmanos é o relacionamento, por isso é muito difícil que um missionário consiga algum resultado em pouco tempo, a recomendação é que, missionários que pretendem trabalhar em países muçulmanos, como o Marrocos, tenham a disposição de ficar a longo prazo, pois o muçulmano normalmente só dará ouvidos ao Evangelho depois de ter fortes laços pessoais com quem estiver anunciando.
As oportunidades de trabalhos sociais podem ser na área da saúde, esporte, educação ou onde o próprio Espírito te direcionar. Os marroquinos são apaixonados pelo futebol, neste caso o cargo de treinador torna-se uma oportunidade para criar laços relacionais com eles; há também muitos casos de crianças abandonadas pelos pais, o que faz da criação de um orfanato outra estratégia para alcançar o povo marroquino.
Para receber o acompanhamento e ajuda de outros cristão em Marrocos, há presença de uma igreja protestante em aproximadamente 10 cidades diferentes.
Para maiores informações sobre oportunidades de ministérios no Marrocos, escreva-me através do email dudu.carniel@hotmail.com.


Ore
- Contra a perseguição que os marroquinos que aceitam Jesus sofrem do governo e da própria família. Muitos acabam não aceitando ou negando que O aceitaram por medo da rejeição que sofrerão pela sociedade. O marroquino que não abrir mão do Cristianismo acaba, em vários casos, sendo expulsos do lar e rejeitado pela própria família, além de também correr o risco de ser punido pelo governo marroquino.
- Pelo rei e governantes do Marrocos, para que permitam que o Marrocos se torne um país mais aberto ao evangelho.
- Pelos missionários que vivem no Marrocos, para que Deus mande estratégias de evangelismo, e para que através deles Jesus possa ser apresentado e aceito pelas pessoas de lá.
- Contra o preconceito racial no Marrocos. A grande maioria dos estudantes estrangeiros são de pele negra e por isso sofrem duro preconceito da sociedade marroquina, sendo insultados, humilhados e, por vezes, os jovens estudantes chegam a levar pedradas nas ruas.


Informações (valores aproximados)
Dados de 2009.
Moeda do Marrocos:
Dirham (DH).
$1 Euro = $11,16 DH
$1 Dólar = $7,46 DH
Moradia
Hotel quarto individual com banheiro e ducha - $80 Dirhams.
Hotel quarto duplo com banheiro e ducha - $130 Dirhams.
Alimentação:
Café da manhã: $15 Dirhams.
Almoço: $40 Dirhams.
Janta: $35 Dirhams.
Água mineral: (1,5L) $7 Dirhams; (5L) $12 Dirhams.
Café (xícara): $10 Dirhams.
Refrigerante: $7 Dirhams.
Pão tipo baguete: $3 Dirhams.
Transporte:
Trem: É umas das melhores opções de viagem dentro do Marrocos, o preço não é muito caro, é um transporte rápido, seguro e confortável. Há várias linhas que ligam o norte com o sul e o leste com o oeste, mas, dependendo do trajeto, nem sempre é possível fazê-lo de trem. A seguir o link do site da única companhia de trem do Marrocos. (http://www.oncf.ma/)
Táxi: Tarifa mínima $7 Dirhams; taxímetro roda em $7 Dirhams por km.
Ônibus: Uma das únicas companhias de viação seguras no Marrocos é a CTM (http://www.ctm.ma/), mas é também a mais cara delas. Há várias outras companhias de viação no Marrocos, é possível encontrar uma porção delas nas rodoviárias, porém nem todas são seguras e confortáveis. Comprando em companhias mais baratas a compra da passagem não inclui a bagagem, isto é, você terá que negociar o preço da sua passagem separadamente do preço de embarque da sua bagagem.
Comunicação:
Internet: $7 Dirhams à hora
Chip para celular: $50 Dirhams

Mais informações podem ser encontradas no site: http://marrocos.wordpress.com/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...